Produtos - Conheça toda nossa linha.
 
Serviços - Confiança e credibilidade.
 

Eletropaulo e CPFL são multadas em R$ 15,7 mi

Postado por: admin | Eletricidade | segunda-feira 18 março 2013 9:00

As concessionárias de distribuição de energia foram advertidas pela agência reguladora do estado de São Paulo por falhas na manutenção e no monitoramento dos níveis de tensão; elas podem recorrer

A Eletropaulo foi multada em 6,9 milhões de reais e a CPFL Energia em cerca de 8,8 milhões de reais pela Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp), conforme publicado do Diário Oficial do Estado de São Paulo.
No caso da Eletropaulo, foram aplicadas duas multas relacionadas ao fato de a distribuidora manter subestações, alimentadores, linhas, circuitos e transformadores com carga acima da capacidade admissível e também pela falta de manutenção em subestações, segundo nota da Arsesp.
Já as multas na CPFL Energia foram aplicadas nas controladas CPFL Paulista (8,751 milhões de reais), CPFL Mococa (16,2 mil reais) e CPFL Santa Cruz (80,8 mil reais) “por falhas nos indicadores de qualidade do fornecimento de energia e problemas no monitoramento nos níveis de tensão”, afirmou a agência reguladora.
As concessionárias ainda têm direito à contestação das multas junto à agência, segundo a Arsesp. O valor das multas é recolhido ao Tesouro Nacional.

A Eletropaulo foi multada em 6,9 milhões de reais e a CPFL Energia em cerca de 8,8 milhões de reais pela Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de São Paulo (Arsesp), conforme publicado do Diário Oficial do Estado de São Paulo.

No caso da Eletropaulo, foram aplicadas duas multas relacionadas ao fato de a distribuidora manter subestações, alimentadores, linhas, circuitos e transformadores com carga acima da capacidade admissível e também pela falta de manutenção em subestações, segundo nota da Arsesp.

Já as multas na CPFL Energia foram aplicadas nas controladas CPFL Paulista (8,751 milhões de reais), CPFL Mococa (16,2 mil reais) e CPFL Santa Cruz (80,8 mil reais) “por falhas nos indicadores de qualidade do fornecimento de energia e problemas no monitoramento nos níveis de tensão”, afirmou a agência reguladora.

As concessionárias ainda têm direito à contestação das multas junto à agência, segundo a Arsesp. O valor das multas é recolhido ao Tesouro Nacional.

Fonte: Veja



Ajuda para distribuidoras de energia sairá na próxima semana, diz governo

Postado por: admin | Eletricidade | segunda-feira 11 março 2013 9:15

Autoridades sinalizaram que a ajuda será transitória e que as distribuidoras recuperarão o custo adicional pela compra de energia das térmicas na próxima revisão tarifária

O secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, disse que o governo está analisando a possibilidade de viabilizar financiamento para as distribuidoras de energia fazerem frente ao custo elevado da energia comprada das usinas termelétricas. Ele ressaltou, entretanto, que nenhuma decisão foi tomada. “Por enquanto, estamos discutindo a necessidade de fluxo de caixa e a não a assunção do custo. A ideia é um financiamento, se for necessário, porque, por conta da diferença de custos, pode causar alguma alavancagem transitória”, disse Barbosa , que está respondendo interinamente pela Fazenda, a jornalistas após participar de reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social.
Barbosa, entretanto, sinalizou que a eventual ajuda será transitória e que as distribuidoras recuperarão o custo adicional pela compra de energia das térmicas na próxima revisão tarifária. Pelas contas do setor, o uso das térmicas desde o fim do ano passado já gerou custo de pelo menos 4 bilhões de reais às distribuidoras.
Na terça-feira, o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, disse que o Tesouro poderia ajudar a compensar o custo com a energia das térmicas. Segundo ele, o órgão teria condições de participar por meio da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE).
Segundo o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, que também se pronunciou sobre o assunto nesta quarta, as empresas devem receber a ajuda com cifras entre 70% e 100% do valor excedente que estão desembolsando pelo uso das térmicas. “Vamos encontrar uma solução boa para as distribuidoras”, afirmou.

O secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa, disse que o governo está analisando a possibilidade de viabilizar financiamento para as distribuidoras de energia fazerem frente ao custo elevado da energia comprada das usinas termelétricas. Ele ressaltou, entretanto, que nenhuma decisão foi tomada. “Por enquanto, estamos discutindo a necessidade de fluxo de caixa e a não a assunção do custo. A ideia é um financiamento, se for necessário, porque, por conta da diferença de custos, pode causar alguma alavancagem transitória”, disse Barbosa , que está respondendo interinamente pela Fazenda, a jornalistas após participar de reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social.

Barbosa, entretanto, sinalizou que a eventual ajuda será transitória e que as distribuidoras recuperarão o custo adicional pela compra de energia das térmicas na próxima revisão tarifária. Pelas contas do setor, o uso das térmicas desde o fim do ano passado já gerou custo de pelo menos 4 bilhões de reais às distribuidoras.

Na terça-feira, o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, disse que o Tesouro poderia ajudar a compensar o custo com a energia das térmicas. Segundo ele, o órgão teria condições de participar por meio da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE).

Segundo o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, que também se pronunciou sobre o assunto nesta quarta, as empresas devem receber a ajuda com cifras entre 70% e 100% do valor excedente que estão desembolsando pelo uso das térmicas. “Vamos encontrar uma solução boa para as distribuidoras”, afirmou.

Fonte: Veja



Aneel prevê leilão de energia em maio para atender distribuidoras

Postado por: admin | Eletricidade | segunda-feira 4 março 2013 11:43

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) prevê a realização de um leilão de energia elétrica em maio para contratar imediatamente energia para atender a demanda das distribuidoras do país, que estão atualmente subcontratadas.
Segundo o diretor-geral da agência, Nelson Hubner, como não houve leilão no ano passado, as empresas precisam de cerca de 2 mil megawatts médios.
Essa energia deve ser “velha” –produzida por usinas já construídas– porque não há tempo para aguardar a construção de um empreendimento novo.
“Queremos que seja feito o mais rápido possível. Podemos discutir diversos produtos [fontes energéticas], mas para entrega imediata”, disse o diretor.
RENOVAÇÃO DE CONCESSÕES
Hubner também disse que o governo espera concluir neste semestre as regras para prorrogar as concessões das distribuição de energia.
Ele disse que o MME (Ministério de Minas e Energia) vai publicar um decreto para permitir a renovação de 44 empresas do setor que possuem contratos a vencer entre 2015 e 2017.
Essa renovação já foi feita para empresas de geração e transmissão, que também teriam vencimento das concessões no mesmo prazo.
“A Aneel vai se manifestar após regulamentação do Ministério. Quando sair o decreto, estarão estampadas as condições para renovação das distribuidoras”, disse Hubner.

A Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) prevê a realização de um leilão de energia elétrica em maio para contratar imediatamente energia para atender a demanda das distribuidoras do país, que estão atualmente subcontratadas.

Segundo o diretor-geral da agência, Nelson Hubner, como não houve leilão no ano passado, as empresas precisam de cerca de 2 mil megawatts médios.

Essa energia deve ser “velha” –produzida por usinas já construídas– porque não há tempo para aguardar a construção de um empreendimento novo.

“Queremos que seja feito o mais rápido possível. Podemos discutir diversos produtos [fontes energéticas], mas para entrega imediata”, disse o diretor.

RENOVAÇÃO DE CONCESSÕES

Hubner também disse que o governo espera concluir neste semestre as regras para prorrogar as concessões das distribuição de energia.

Ele disse que o MME (Ministério de Minas e Energia) vai publicar um decreto para permitir a renovação de 44 empresas do setor que possuem contratos a vencer entre 2015 e 2017.

Essa renovação já foi feita para empresas de geração e transmissão, que também teriam vencimento das concessões no mesmo prazo.

“A Aneel vai se manifestar após regulamentação do Ministério. Quando sair o decreto, estarão estampadas as condições para renovação das distribuidoras”, disse Hubner.

Fonte: Power